Escritos Sagrados Bahá'ís em Ebook

Fundada em 1957, a Editora Bahá'í do Brasil tem como seu principal objetivo tornar acessível ao público de língua portuguesa as Escrituras Sagradas da Fé Bahá'í. Publicamos mais de cinco centenas de livros, documentos, textos e materiais audiovisuais que expressam o ensinamento básico da Fé Bahá'í: a unidade do gênero humano. Também, fornecemos materiais de identificação bahá'í. Atualmente são 33 editoras bahá'ís no mundo publicando materiais em mais de 800 línguas e dialetos.

Poemas: Soneto IV e Soneto V

Os poemas foram compostos por Shanta Navvab Walker que além de poetisa é também tradutora e cantora. Os poemas fazem parte da coletânea “SENTIMENTOS EM LETRAS”




                                          
                  
                                           Soneto IV

                                  Baseado no Vale da Busca,
                                  Os Sete Vales, Bahá’u’lláh

                                    Conta-me de tua busca,
                                    De teu incansável ardor,
                                  Dos caminhos que trilhaste,
                                    Procurando o teu senhor.

                                   Conta-me dos caminhos,
                                     Por onde tu passaste,
                               Buscando a beleza do Amado,
                              Em cada face que contemplaste,

                                    Qual a canção silente,
                                 Que, ao coração paciente,
                                      O fez reconhecer?

                                       Qual antiga ciência,
                                    Guiou-te da negligência
                                      Até o Reino do Ser?


                                                   


                                          Soneto V

                                 Para Sérgio Resende Couto,
                                             in memoriam


                                    O poeta é um construtor,
                                   Que as palavras consolida,
                                   Tu, que constróis as almas,
                                       És um poeta da vida,

                                     Quantas almas inquietas,
                                    Em busca do Bem-Amado,
                                     Guiastes em Seu caminho,
                                     Com teu rosto iluminado?

                                    Quantos corações sedentos
                                        Sorveram de tuas mãos
                                         O vinho de seu amor?

                                     Quantas lágrimas choraste,
                                          Para desvelar a face
                                              De Teu Criador?

Nenhum comentário:

Postar um comentário